quinta-feira, 4 de junho de 2015

Eu Eolo versus Eu Cláudio #2 - Olá, sou a Caitlyn

Cláudio filho, mau... primeiro bloggers e tal e coisa, agora transfobia?

Vamos por partes outra vez? Vamos? Boa.

"... E a troco de milhões, muita publicidade e falta de vergonha na cara Bruce Jenner lá comunicou ao mundo (aquele que se interessa) o seu nome de mulher. "

E então amiga? Não percebo.

"O padrasto de Kim Kardashian vai chamar-se Caitlyn e para avisar a família e os amigos mais chegados anunciou na capa da Vanity Fair. "

És tão incrivelmente pindérico que eu não percebo, em vez de dizeres epá um ex-atleta olímpico finalmente teve coragem e tendo uma capa na Vanity Fair pode inspirar inúmeras pessoas trans, dizes o seguinte

"É um bom anúncio sim senhor  (sim senhora) e se não atingiu um orgasmo ao ver-se na capa não sei se o voltará a atingir tão rapidamente. Não acredito nesta mudança de sexo, não acredito na verdade que ele insiste em depositar-lhe e acredito menos ainda que esta atitude ajude o que quer que seja. "

A piada do sim senhora e sim senhora é muito boa, aliás até promove transfobia, até promove que possamos gozar com pessoas trans e perpetuar estereótipos, aliás é um duplo insulto, mas já lá chego.

"Pelo contrário. Acredito mesmo que prejudique aqueles que de verdade vivem com o 'sofrimento' de crescer num corpo errado e que lutam desesperadamente por ter e encontrar uma identidade."

Vá, eu não vou ser presunçoso a pensar que sei qual é o "sofrimento" de uma pessoa trans, porque não sou, não sei o que isso é e não acho de bom tom opinar. Não obstante minha broa de Avintes fora do prazo, encontrar a identidade não é se calhar a melhor expressão. Mas conheces a Caitlyn? Privaste? Sabes que tudo isto é apenas um marketing ploy (também se fala inglês aqui) à pala de quem?

 "Acho que Bruce, que agora será Caitlyn (até querer ser outra coisa) funciona a troco de dinheiro e fama e neste caso, quanto mais melhor. De resto, o que sobra é uma boa produção fotográfica, carregada de photoshop que mostra uma mulher que não existe. Porque entre esta capa e a realidade de Bruce, vai uma distância como daqui ao outro lado do mundo. Fizeram-lhe a vontade e sentiu-se uma diva. Mas não é mais do que isso. Acho eu"

Achas mal, tem piada, quando era reconhecido como homem cis era valorizado por ser um atleta olímpico e empreendedor e tal e coisa, agora que reconhecem como mulher falam de coisas como produção fotográfica e photoshop, porque as mulheres reduzem-se a isso.

Cláudio filho, que não lês este espaço mas pode ser que um dia passes por cá, devias olhar para ti com olhos de ver, pensar no que dizes e que no fazes, pensar que também tu deves ter tectos de vidro (e Portugal é um penico e sabe-se tudo e mais um par de botas) e que um dia podes ser objecto de escrutínio e se calhar, ao contrário, deste artigo vêm coisas giras e verdadeiras cá para fora. Tenho pena que isto não chegue aos ouvidos da equipa legal da Caitlyn Jenner, tenho pena que não sejas processado até ao tutano e responsabilizado pelo que escreves.

FYI, o texto do "Pendurem-me o quadro" é uma aberração de contradição, para uns é marketing, para outros é uma aposta arrojada. Vai-te encher de moscas e faz o exercício todo, para não saíres do ginásio suadinho à procura do resto do exercício. 

8 comentários:

  1. É fácil falar dos outros, acho que cada um sabe de si, e nem tenho opinião formada em relação à mudança que houve num homem que passou a ser mulher. Se está feliz, que continue a ser.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E esperemos que seja um exemplo para pessoas trans.

      Eliminar
  2. o CR é execrável. quanto à capa e a fazer-se à amizade com a moça, bem, deve estar roidinho de inveja de não poder estar na capa, ele, os seus músculos, a sua tacanhez e capas dos dentes...
    quando a miséria de pensamento grassa por estes tipos armados em bons, mas nada são, nem adianta argumentar. e como referes, tem imeeeensos telhados de vidro, mas ainda não teve consciência deles, tamanha é a estupidez.

    ResponderEliminar