terça-feira, 11 de agosto de 2015

Então está tudo bem.

"Jovens LGBTQ expulsos de casa? Mulheres lésbicas e bissexuais agredidas na rua? Pessoas trans a quem é recusado trabalho, saúde e negada a identidade? Nada! O Pedro e o Lorenzo andaram de mão dada na rua no Chiado sem grandes problemas, por isso está tudo bem! Parece bonito alimentarmos o nosso ego com a fantasia de que o país em que vivemos é um fascínio de evolução civilizacional, especialmente quando o queremos comparar a outros lugares onde a violência e a discriminação são mais imediatas e explícitas. Mas muitas vezes a homofobia e a transfobia em Portugal são apenas isso: menos imediata e menos explícita, pelo menos no que toca a homens gays. No entanto, a todas as pessoas que não são homens gays masculinos, cisgéneros e brancos tudo na sua discriminação é, pelo contrário, imediato e explícito."

Não vamos esquecer que são dois homens brancos cis minha gente, Portugal não é um mar de rosas.

11 comentários:

  1. Bom eu posso ser um dos primeiros a criticar... mas também não é preciso crucificar acho eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é crucificar namorado. Se fossem dois homens efeminados reagiam assim? Se fossem dois homens que não estão em forma mas que também não se enquadram na cultura bear também reagiam assim? Lisboa é melhor que muitos sítios no mundo mas não é um paraíso de unicórnios com asas que cagam arco-íris. Isto é perpetuar estereótipos, é dizer que não faz mal seres gay desde que sejas enjaulado numa sociedade heteronormativa, podes ser gay e até andar com o teu namorado na rua mas tens que parecer hetero e será que o público sabe o que eles são, não me parecem que andem pelo CAM4.

      Eliminar
    2. Eolo eles são um "produto" e tentam vender-se como produto. Tenho algumas reservas a respeito, mas também acho que dão a cara e mostram-se disponíveis para quebrar barreiras - coisa que muitos de nós não o fazem por motivos vários.

      Tens razão no que escreves e aceito essa crítica, mas o que digo é que é melhor começar por algum lado? Aqueles que criticam o que já fizeram? Percebes? Não podemos dizer mal só porque sim e depois não fazemos melhor. Eu vejo-os como um produto que se quer impor. Se são demasiado masculinos e não representam o universo lgbti? Talvez. Mas eles estão a vender-se e a usar a condição de "gays" para conquistar um mercado. Se fazem videos porno no CAM4, olha que façam, desde que tenham prazer nisso e seja voluntário, eles é que sabem.

      Pessoalmente não acho um "produto" muito interessante (falo dos vídeos de culinária), mas percebo que façam estes vídeos como propaganda aos seus outros projectos. Se é certo ou errado? Bom, é alguma coisa.

      Eliminar
    3. Namorado, eles não representam a comunica LGBT são só uma pequena parte.

      Ser um produto e fazer um vídeo simplista também é uma questão. O que eles fazem com o CAM4, ou a culinária só mostra que são um produto.

      O que é que nós fazemos? Na minha vida pessoal tento "educar" aqueles que me são mais próximos, na minha vida profissional tento combater factores de descriminação como idade, género e orientação sexual, educar os colegas sim se estiverem para aí virados e haver abertura ao diálogo.

      O video per se não me chateia tirando o facto de que foram para n sítios cujos resultados são facilmente manipulados, estás cheio de turistas no Chiado e arredores, no Vasco da Gama e dois homens cis em que um tem 1,90m são menos passíveis de serem xingados. Digo só substituir aquele casal por outro e ver as reacções e depois vamos ver o mar salgado de Portugal.

      Em consciência não posso compactuar nem com o vídeo nem com os comentários, porque já tive medo sozinho em Lisboa há muitos anos atrás e não estava particularmente em zonas perigosas.

      Eliminar
  2. Eu compreendo perfeitamente a tua posição. Acho que o facto de andarem a passear por Lisboa não quer dizer nada, nem mostra a realidade do nosso país. Haviam de fazê-lo em outras zonas e com câmaras ocultas. Aí é que iríamos ver a realidade a aparecer...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A realidade é demasiado feia para ser vista.

      Eliminar
  3. Tens razão quando falam que foram para sítios cujo nível de aceitação é superior ao que verificamos no contexto nacional e que estão quase ao nível dos países mais tolerantes. Como tu, já tive muito medo em determinadas alturas na vida, até porque cresci numa aldeia. Não posso dizer que sou efeminado, mas a verdade é que basta alguém dizer "ele deve ser panilas" e o drama começa. Começa a mandarem-te bocas, a falar nas tuas costas e tu começas a pensar que estão sempre a falar de ti, começam a fazer-te emboscadas e a darem-te porrada só porque acham giro ver-te a chorar. E eu passei por isso e numa aldeia não do interior do país, mas a 20 km's de Lisboa. Portanto percebo perfeitamente o que dizes, apenas digo também que não merecem ser crucificados. Se o vídeo representa o país? Não. Não representa. Basta irem até Braga ou eventualmente Bragança.

    E pessoalmente mantenho o que disse: não lhes acho assim tanta piada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém está a crucificar ninguém Namorado, só digo que com muita pena minha aquilo não é real.

      Eliminar
  4. Eolo entendo o que dizes. Seja gay ou hetero a imagem que alguém passa para fora é motivo para ser olhada e falada.

    E dou-te razão, Portugal não é um mar de rosas e quando eles no video dizem para o pessoal visitar Lisboa (agora não sei se era o país...isso agora é irrelevante) pensei "eles devem ter algum negócio" com alguma agência de viagens".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São vloggers, portanto negócio devem ter e não sabemos se pode ser uma jogada com um site ou uma agência de viagens.

      Eliminar
  5. tb concordo com vc! mas mesmo assim acho que foi um bom sinal!

    ResponderEliminar