quarta-feira, 2 de abril de 2014

A culpa é toda minha



Um dos meus filmes preferidos, "Gone With the Wind"aparte, é o Bram Stoker's Dracula e o mito do vampiros já e certo e sabido pelos sabores, no entanto não gosto do livro, é mesma uma questão de estilo narrativo que não me convence, são muitas vozes de narrador e acabo por não gostar de nenhuma e o ênfase amoroso do Coppola torna o Dracula muito mais aliciante, adoro o exagero e a lado operático da coisa, eu é guarda roupa, maquilhagem, banda sonora, gosto daquilo tudo... ou quase tudo porque coitadinho do Keanu que era a Kristen Stewart dos 90 com a sua mono-expressão mas vá o Jonathan é tão irrelevante naquilo tudo que como só as batatas.

E pelo meu amor ao Dracula e aos vampiros (nomeadamente da Sôdona Rice) é quase impossível resistir aos livros que são retellings, revisitings, covers etc etc etc do famoso conde. Já não me lembro da piroseira que li que metia a Bathory (essa que em livros é uma grande banhada) e outro que era só narrado na primeira pessoa pela Mina que era tão mau, mas tão mau que metia dó.

E depois apareceu o Fangland do John Marks que é um recontar da história do Dracula mas com terrorismo, um programa de entertainment news chamado The Hour (uma crítica ao 60 Minutes) da infame The Network, Dracula aqui chama-se Torgu, um líder do crime organizado romeno que acede a conceder uma entrevista a Evangeline Harker (subtil huh) uma produtora do The Hour da The Network e esta repetição é uma directa ao autor (também ele um ex-produtor do 60 Minutes e que explora neste livro a indústria do jornalismo televisivo e que é por vezes demasiado minucioso para um livro destes, detalha demasiado o que faz cada pessoa por trás deste tipo de programas que não interessam a leitores de ficção e que se calhar seria mais interessante se explorado numa obra biográfica) e narra a viagem dela até à Roménia onde encontra uma evangélica terrorista (parece que estou a gozar não parece? Mas não, é mesmo) que por sua vez é lésbica e fuma porque não há nada contra na Bíblia (bem, nada contra também) mas que apenas serve para um fait-divers gratuito de uma cena de sexo mal escrita porque uma coisa será o sexo entre duas mulheres e outra é um homem a escrever uma cena de sexo entre duas mulheres que cheira-se-me já não ter nada a ver, mas isto sou eu que não só sou mais bolos como também não sou nem mulher nem lésbica.

Depois há os outros que são tão excitantes como ver tinta a secar, desde o noivo da Evangeline que é tão fascinante tão fascinante mas tão fascinante que além de se tentar matar é convenientemente metido pelo autor na gaveta quando ele chega à conclusão que ele pouco ou nada acrescenta ao enredo numa cena que não faz sentido nenhum e a outra que passa de editora de imagem a ex-Black Panther nos 70s, bitch please!

O livro tinha tudo para ser espantoso, um pano de fundo inteligente com uma crítica social que podia ser muito bem aproveitada e dar um filme giro, mas não, é só uma banhada e eu ouvi-o até ao fim porque raramente desisto de ouvir um livro.

Mas a culpa é toda minha que pareço um totó quando leio Dracula, ou vampiros, ou fangs ou qualquer coisa relacionada.

6 comentários:

  1. E a série com o Jonathan Reese-Meyers?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me assiste, not in the least. (Rimei e tudo)

      Eliminar
  2. Partilho contigo o mesmo gosto pelos vampiros, mas desde que apareceu a insuportável saga do Twlight (eu li tudo...mas só vi o primeiro filme) fiquei um pouco farto. Valeu-me a Sookie Stakehouse e mesmo nos livros a história acabou por perder o interesse que tinha no inicio. Gostava tanto que li tudo em inglês.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também ouvi os livros todos da Sookie Stackhouse e achei o final uma treta. Gostei muito da saga Vampire Academy, bad name notwithstanding.

      Eliminar
    2. Não fizeram um filme baseado nos livros da Vampire Academy? Sei que há um mas não sei se é sobre essa saga de que falas.

      Eliminar
    3. Fizeram. São seis livros e depois há o spin-off

      Eliminar