sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Halloween, Samhain e cenas...

Chegamos ao momento em que se levantam as vozes anti-Halloween, que é uma comercialização, que não é uma tradição portuguesa, que importámos dos países de língua inglesa e que é uma estupidez e que isto e aquilo e mais o outro, aqui na blogaria começam logo a aparecer esses posts.

Confesso que não entendo, nada é estanque e porque não celebrar uma festa que vem de outras culturas, qual é o mal disso? Não importámos uma série de outras coisas? Desde a figura clássica do Pai Natal, o dia de S. Valentim, nas redes sociais vejo dias do beijo, do abraço, dos avós de tudo e mais alguma mas o Halloween não.

Não celebro Samhain em que me mascaro e vou a festas e tal, é para mim um dia de reflexão, de pensar nos que partiram que me são queridos, nos meus antepassados é um ponto de viragem para o ciclo que começa. No entanto, isso não significa que eu não respeite os gostos dos outros, acho que por vezes temos demasiada vontade de valorizar as nossas tradições e depois entramos em contradição com outras práticas que pouco ou nada têm de portuguesas.

Merry meet, merry part, merry meet again.

12 comentários:

  1. Não acho piada e acho que é uma importação consumista, não tão má como o dia de S. Valentim.
    contudo, eu não celebro. Estou-me pouco lixando para o que os outros fazem. Como nem sequer vejo TV, nao me incomoda mesmo nada... lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, mas esse é o espírito da coisa. Portanto queres queres, não queres não queres.

      Eliminar
  2. É que não entendem o espírito da coisa. Uma abóbora na carola era pouco.
    Força, determinação e concretização daquilo a que propuseres no novo ciclo. Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijos grandes e tudo em dobro para ti também.

      Eliminar
  3. Não gosto de "importações" de tradições como já transmiti no meu cantinho, seja esta, o Pai Natal ou o Dia dos Namorados e não tem nada a ver com a causa comercial, não, só acho que não tem nada a ver connosco, não é nosso. Continuo a dar preferência ao Menino Jesus, mas é evidente que respeito, afinal ainda vivemos num País democrático.
    Um beijinhoooo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos livres acima de tudo de expressar opinião e que o fizemos nos cantos respectivos.

      Eliminar
  4. nunca celebrei, acho que esquecemos as nossas tradições, de os miúdos pedirem o pão por deus (eu nunca pedi, na minha terra não havia hábito, ou se havia, eu nunca me apercebi), mas dia 1, por ser feriado - antes, claro, - íamos ao cemitério. eu irei amanhã, umas horas de manhã, o regresso ao fim da tarde que viseu ainda fica longe. um dia, talvez, fique mais perto...
    não acho piada, mas eu sou eu, se tivesse um filho pequeno, provavelmente iria mascarado para a creche, como foi o crianço da minha colega, de 2 anos. o miúdo fica feliz, para ele é uma festa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O dia de ir ao cemitério seria dia 2 que é dia de finados mas fundiu-se no dia 1 pela a riga conveniência do feriado. Sim, se tivesse filhos e eles quisessem também o faria. Aliás o pão por Deus e Trick or Treat são parecidos. ;)

      Eliminar
  5. Não me diz rigorosamente nada, aliás como todas as datas em que se estabelece que as pessoas se devem divertir, Carnaval incluído...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, mas o Carnaval tinha um propósito de religião diferente e também não me agrada.

      Eliminar
  6. Cada ano que passa, mais adesões e sem a porcaria dos ovos e água como acontece no carnaval

    ResponderEliminar