segunda-feira, 10 de março de 2014

Má Pizza, Má!

Estou ausente, com o novo projecto tenho menos tempo ou menos energia ou menos dos dois, vou tentando manter-me a par de tudo mas é uma questão de ganhar mais ritmo.

Entretanto, e porque se considera que Os Sabores fazem serviço público, fomos provaria a Pizzeria Luzzo ali ao pé de Santa Marta e credo... que horror... por onde começar... Let's start at the start and take it away...

O restaurante tem um visual moderno tasca meets casual chic (o que quer que isto queira dizer) e fomos levados para a nossa mesa onde nos foi dado um tablet com o menú e instrucções para fazer o pedido, ou seja esqueçam lá os empregados andarem pela sala a ver o que é preciso, querem então é melhor fazerem o pedido no tablet, a menos que queiram um copo de água e aí têm que fazer caça ao tesouro e apanhar alguma para o pedir porque não está no tablet, no tablet também também está adicionar ingredientes mas não está retirar ingredientes e mais uma vez depois de apanharmos a nossa loiríssima que fazia justiça (infelizmente) ao rol de piadas da coloração capilar numa troca do género:

Eu - Queríamos a Luzzo mas sem o ananás caramelizado.
Ela - E não tem como tirar isso não?
Eu - Não sei, eu não encontrei mas explica-me.
Ela - É que eu ainda me confundo com isso aqui.
Eu - Imagine eu.
Ela - Deixa estar, pede na mesma que eu aviso lá dentro.

Modernices diria eu, tanta modernice e depois não há algo que parece óbvio... ah e nota de autor, reza a grande tradição culinária italiana que as pizzas não levam fruta (eu fui fruto, pun intended, de uma enorme lavagem cerebral ao longo dos anos) e quase todas tinham o belo do ananás caramelizado, fosse eu uma grande má língua diria que o chef aprendeu isso recentemente e dá-lhe todo um toque... seu.

As entradas também comme ci, comme ça, um camembert grelhado que de grelha tinha pouco e um chèvre panado com sumo de morango dizia eu que o doce dos morangos era o equilíbrio para a acidez do chèvre, ambos os queijos claramente italianos (/sarcasmo) e os morangos eram de estufa e como sabiam a melhorar era só mesmo para ensopar o panado.

Chegaram as pizzas, grandes e finas, tão finas e tão subtis que a massa não aguentava os quilos de queijo rasca de supermercado que não era mozzarella nem aqui nem na China e tinha um sabor gorduroso e enjoativo, eu quando provo pizzas novas fico-me pela Margherita porque honestamente se a pizza for boa é aqui que se vê onde os ingredientes falam por si.

O pouco staff (aqui se vê o porquê da genialidade dos tablets) que havia era pouco simpático a roçar no rude a pensar que eram blasé, o serviço péssimo, tivémos que dizer duas vezes que nos estavam a trazer a comida errada e viémos embora, como diria o Vasco Santana na "Canção de Lisboa", para nunca mais voltar.

Prefiro qualquer franchise ao que nos foi servido e foi um barrete ainda maior do que o das pizzas do Avillez que pelo menos essas tinham bons ingredientes enquanto estas nem por isso, perdoem-me a possidoneira mas com a lavagem de cerebral que já dura e é constante de pizzas eu percebo um bocadinho e não percebo esta tentativa "chicosa" de criar um novo sítio in onde se está melhor se estiverem out. Cheira-me que vou mais tarde ao Trip Advisor dizer thanks but no thanks e por aquele preço há muito melhor em Lisboa.

Ah e também fui ver o Philomena... saí de lá com a boca a saber a esferovite com muita parra e pouca uva, Lady Dench já esteve melhor, não a achei estelar e achei-a muito estucada para o papel, ainda bem que o bilhete foi pago com pontos mas soube-me a pouco, não percebi nem o propósito e não vi qualquer evolução seja no que for, cheio de palha para ficar gira no trailer como a cena dela pedir uma bebida no avião quando o jornalista lhe diz que é grátis, não é bom e não é mau e não é nada.

9 comentários:

  1. Eu já trabalhei num restaurante, e compreendo o que queres dizer. Compete-se muito cortando no essencial num restaurante: na comida. E esse caso do queijo é flagrante. Posso dizer-te que na maioria dos restaurantes que peças um bacalhau com natas, ele na realidade não traz bacalhau, mas sim um peixe semelhante e que leva o mesmo tratamento da salga, chamado paloco (e que é mais barato, mas com um sabor diferente e uma textura ligeiramente mais mole). No bacalhau com natas passa despercebido, agora no dia em que mo serviram em vez de um bacalhau com broa, fiz também um "para nunca mais voltar"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu adoro queijo e não sou nada snob por isso para eu dizer que o queijo era gorduroso, imagina.

      Os meus pais tiveram um restaurante, mas no nosso o bacalhau era mesmo bacalhau,

      Eliminar
  2. Quando dizes mal, dizes sem papas na língua. Fiquei como fome no início do post, mas que foi passando conforme a leitura LOLOL E um sítio decente de pizzas, recomendas alguma coisa?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas havia dúvidas?

      Para mim a melhor pizza de Lisboa é no Mezzogiorno no Chiado.

      Eliminar
  3. Pizza não gasto, mas "Philomena" sim; tenho cá para ver.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que gostes mas eu fiquei-lhe indiferente.

      Eliminar