quarta-feira, 19 de março de 2014

São dias

Hoje ao final do dia quando desligava o cérebro e lia a feed do livro das caras saiu na rifa um status da minha prima que xingava aqueles que por uma razão ou outra não davam relevo ao dia do pai, saia-lhe com a violência dos seus 19 anos e o pseudo mau feitio que dizem ser de família e apercebi-me que passou mais uma data que não marquei nas redes sociais.

Confesso que já deixei de ligar às pessoas que relatam os seus dias especiais para criar a ilusão de uma existência quase perfeita, a experiência já me permite distinguir um status update que é sentido ou um que é fabricado. E isto vale pare o dia do pai e vale para o resto, não preciso das redes sociais para mostrar aos outros quem são os que eu ame, se há coisa que as perdas me foram ensinando foi o valorizar, o dizer amo-te, fazes-me falta, és a minha bússola, o meu porto, o meu conforto à pessoas a quem e destinado.

Não são as fotos, os tags ou chavões com fotos pirosas de fundo que mostram ao mundo seja o que for, o mundo altera-se consoante as minhas acções e as palavras são fáceis especialmente se tiverem uma foto gira a ilustrar para não ser só texto a iludir ainda mais significado aquilo que basicamente diz que estar vivo é o contrário de estar morto.

Não festejei o dia do pai nas redes sociais porque não tenho necessidade de o fazer, é entre ele e eu, que interessa se escrevo que ele é o melhor pai do mundo? Parece uma daquelas canecas que compramos em crianças porque naquela altura realmente ele é aquilo tudo.

O meu pai não é o melhor pai do mundo, a vida puxa-nos e empurra-nos com anos de ausência pelo meio e ainda mais irónico é que fomos forçados a estar separados e há memórias e vivências que nunca vamos poder ter. Temos poucos (ou nenhuns) gostos em comum, visões políticas diferentes, ideologias diferentes e tantas outras coisas diferentes que por sua vez nos afastam quando estamos juntos.

O meu pai ensinou-me a tentar ser justo, a ser bom amigo, a dar segundas oportunidades porque todos erramos, a deixarmos de ser parvos quando se tentam aproveitar de nós, a mudar os pneus do carro. Ver o óleo, teve uma paciência de santo quando fazia de pendura a seguir a ter tirado a carta, levou-me a ver o "Beauty & the Beast" ao cinema e quase saiu quando o serviço de jantar começou o número musical, levou-me a ver o Dracula do Coppola e resmungava com aquela fantochada. Mas nunca foi um pai perfeito e nem tentou ser um pai perfeito.

Quem se indigna pela indiferença a um dia "festivo" pense que há quem se indigna pela banalização de sentimentos que são só para compor o personagem no Facebook onde realmente é muito fácil ser boa pessoa, eu vou continuando a colocar frases de séries e vídeos de travestis ou dizer que me apetece comprar um blush novo.

9 comentários:

  1. :) é o post mais lindo dos últimos tempos :)

    ResponderEliminar
  2. tu coloca o que quiseres nas redes sociais, como os outros colocam, ou não colocam, optam por sair porque sim, porque se fartam :p, se eram as fotos fofinhas? não o eram, porque eu escolhia quem seguir, mas era tanta a publicidade, mais as páginas patrocinadas mais o diabo a quatro que amuei e apaguei a conta.
    nunca celebrei o dia do pai, a minha mãe criou dois filhos sozinha. mas também nunca enchia o mural que tributos a tudo e mais alguma coisa só por ser o dia X ou Y...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão das redes sociais e do impacto que temos quando damos feedback dava para uma série de posts Margarida. Concordo contigo em praticamente tudo.

      Claro que coloco o que quero, o busílis da questão não é colocar ou deixar de colocar mas sim as imagens que constróis, a hipocrisia quando são pessoas com quem tu convives, a caridadezinha de trazer por casa, é mais isso que me incomoda.

      Eliminar
    2. pois se é assim que as pessoas actuam, as redes sociais têm uma coisa boa (várias, de facto, não sou tão casmurra assim): a facilidade com que se desmascara uma pessoa e ainda por cima quando conheces a pessoa em questão.
      mas julgo que não devemos ligar assim tanto a este tipo de comportamento, resta saberes lidar com isso e tu manteres uma certa coerência na tua vida.

      Eliminar
    3. Não há qualquer dificuldade em desmascarar mas por diversas razões podes não dever fazê-lo por eventuais efeitos avalanche que possam cair em ti ou terceiros.

      Geralmente desvalorizo, mas há dias que me irrita, ontem foi um desses dias.

      Eliminar
  3. O FB é um antro. Toda a gente espeta lá a sua vida, e depois quando nos contam alguma coisa e se responde "ah, eu sei, vi no teu FB", e nos olham com aquela cara "que coscuvilheiro"..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquele é que é o antro do too much information.

      Eliminar
  4. Não ligo a estes dias. Só aos aniversários e natal. E só fiz um "tributo" no facebook, aos meus amigos que tenho por lá.

    ResponderEliminar